Coordenador do NEPE, PIBID de Geografia -FBJ, CoordenadorMestre e Doutor (Phd) em Geografia - UFPE

Minha foto

Doutor em Geografia (stricto sensu) - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2012); Mestre em Gestão e Politicas Ambientais (stricto sensu) - UFPE (2009); Especialista em Ensino Superior de Geografia (lato Sensu) - Universidade de Pernambuco - UPE (1998); Licenciatura Plena em Geografia - Centro de Ensino Superior de Arcoverde - CESA (1985);   Coordenador do PIBID - Geografia Professor; Orientador de Trabalhos de Conclusão de Curso - TCC, na Graduação e Pós-Graduação (Latu Sensu).

sábado, 1 de outubro de 2016

TRANSFORMANDO AZIMUTE EM RUMO



REVISADO E ATUALIZADO COM NOVO ITEM.
RUMO E AZIMUTE



SUMÁRIO

1.Pontos Cardeais
2.Bussola
3.Azimute
4.Azimute inverso ou negativo
5.Rumo.
6.Conversão de Azimute em rumo
7.Aplicação prática
8.Conversão de graus, minutos e segundos.
9. Exercício

1.PONTO CARDEAIS

Em termos acadêmicos, os pontos cardeais são quatro: · Norte, inicial N, também chamado "Setentrional,Boreal".· Sul, inicial S, também chamado "Meridional ou Austral".· leste ou Este, inicial L ou E, também chamado "Oriente, Nascente ou Levante". Oeste, inicial O ou W, também chamado "Ocidente ou Poente".

As marinhas de Portugal e do Brasil usam a forma leste para evitar confusão com este, mas em geral é mais usual a inicial E, até por coerência com as iniciais dos pontos colaterais.

Há também quatro pontos colaterais:
· nordeste - NE,
· sudeste - SE,
· sudoeste - SO ou SW,
· noroeste - NO ou NW.

Finalmente oito pontos subcolaterais:
· nor-nordeste - NNE,
· és-nordeste - ENE,
· és-sudeste - ESE,
· su-sudeste - SSE,
· su-sudoeste - SSO ou SSW,
· oés-sudoeste - OSO ou WSW,
· oés-noroeste - ONO ou WNW,
· nor-noroeste - NNO ou NNW.


Rosa dos ventos tradicional.Fonte: Google.2016.

2.BÚSSOLA

A bússola é um instrumento de navegação e orientação baseado em propriedades magnéticas dos materiais ferromagnéticos e do campo magnético terrestre. A palavra bússola vem do italiano bussola, que significa “pequena caixa” de madeira de buxo.

As bússolas são geralmente compostas por uma agulha magnetizada colocada num plano horizontal e suspensa pelo seu centro de gravidade de forma que possa girar livremente, e que orienta-se sempre em direção próxima à direção norte-sul geográfica de forma a ter a ponta destacada - geralmente em vermelho - indicando o sentido que leva ao norte magnético da Terra, ou de forma equivalente, a um ponto próximo ao polo norte geográfico da Terra. 

Uma bussola possui várias partes como se observa na figura a seguir.


3.AZIMUTE

Há 3 tipos de azimutes a considerar:
Azimute Magnético: quando medido a partir do Norte Magnético (indicado pela bússola);
Azimute Geográfico: quando medido a partir do Norte Geográfico (direcção do Polo Norte);
Azimute Cartográfico: quando medido a partir do Norte Cartográfico (direcção das linhas verticais das quadrículas na carta).


COMO DETERMINAR O AZIMUTE MAGNÉTICO DE UM ALVO

Querendo-se determinar o azimute magnético de um alvo usando uma bússola há que, primeiro, alinhar a fenda de pontaria com a linha de pontaria e com o alvo. Depois deste alinhamento, espreita-se pela ocular para o mostrador e lê-se a medida junto ao ponto de referência. Todo este processo deve ser feito sem deslocar a bússola, porque assim alteraria a medida. O polegar deve estar correctamente encaixado na respectiva argola, com o indicador dobrado debaixo da bússola, suportando-a numa posição nivelada. 

Na cartografia há três tipos de Norte, a saber:

Norte Geográfico, aquele indicado por qualquer meridiano geográfico, ou seja, na direção da rotação da Terra;
Norte Magnético, que é a direção do pólo magnético, indicado pela agulha imantada de uma bússola;
Norte da Quadrícula, aquele representado nas cartas topográficas,pelos meridianos que se estendem no sentido Norte-Sul.

Fonte:vectro.agr.br

COMO APONTAR UM AZIMUTE MAGNÉTICO

Querendo apontar um azimute magnético no terreno, para se seguir um percurso nessa direção, por exemplo, começa-se por rodar a bússola, constantemente nivelada, de modo a que o ponto de referência coincida com o azimute pretendido. Isto é feito mirando através da ocular para o mostrador. Uma vez que o ponto de referência esteja no azimute, espreita-se pela fenda de pontaria e pela linha de pontaria, fazendo coincidir as duas, e procuras e ao longe, um ponto do terreno que possa servir de referência. Caso não haja um bom ponto de referência no terreno, pode servir a vara de um Escuteiro que, entretanto, se deslocou para a frente do azimute e se colocou na sua direção.

Azimute de uma direção é o ângulo formado entre a meridiana de origem que contém os polos, magnéticos ou geográficos, e a direção considerada. É medido a partir do norte, no sentido o horário e varia de 0º a 360º . Veja na figura abaixo a representação dos quatros azimutes. 

Sua aferição é medido a partir do Norte em sentido horário em direção ao alinhamento poligonal principal e varia em angulo de 0° a 90°. 



Fonte: Desbrava  Med by Youtube.com.Publicado em 30 de nov de 2016

4.O AZIMUTE INVERSO

O Azimute Inverso é o azimute de direção oposta. Por exemplo, o Azimute Inverso de 90º (Este) é o de 270º (Oeste), ou ainda Norte e Sul. Para o calcular basta somar ou subtrair 180º ao azimute em causa, consoante este é, respectivamente, menor ou maior do que 180º.

Representação dos 4 azimutes. Fonte: youtube. Engenharia Civil IFG-Uruçu.23/03/2014.

5.RUMO

Rumo é o menor ângulo formado pela meridiana que materializa o alinhamento norte sul e a direção considerada. Varia de 0º a 90º, sendo contado do norte ou do sul por leste e oeste. Esse sistema expressa o ângulo em função do quadrante em que se encontra. Além do valor numérico do ângulo acrescenta-se uma sigla (NE, SE, SW, NW) cuja primeira letra indica a origem a partir do qual se realiza a contagem e a segunda indica a direção do giro ou quadrante.

Sua aferição é medido a partir do Norte ou do Sul em direção ao poligonal e varia e graus , minutos e segundo de 0° a 90°. o quadrante onde o rumo está localizado deve ser NE, NW, SE, SW .


Todo rumo é direcionado ao norte e positivo, ao sul são contra rumo e negativos.


Representação dos 4 rumos. Fonte: youtube. Engenharia Civil IFG-Uruçu.23/03/2014.

JUNÇÃO DOS RUMOS EM AZIMUTE EM UMA MESMA FIGURA PARA OBTENÇÃO DAS FORMULAS E TABELA DE CONVERSÃO.

Representação dos azimutes e rumos. Fonte: youtube. Engenharia Civil IFG-Uruçu.23/03/2014.

6.CONVERSÃO ENTRE RUMO E AZIMUTE

Sempre que possível é recomendável a transformação dos rumos em azimutes, tendo em vista a praticidade dos cálculos de coordenadas, por exemplo, e também para a orientação de estruturas em campo. Para entender melhor o processo de transformação, observe a sequência indicada:

Fonte;Tutorial Rumo e Azimute - Topografia I - IFG Uruaçu.Publicado em 23 de fev de 2014
Tutorial de Topografia.

TABELA DE CONVERSÃO:
Autor: Natalício de Melo Rodrigues,2016.

7.APLICAÇÃO PRÁTICA

Por exemplo: Um avião precisa se deslocar para um determinado rumo, mas o piloto não sabe o rumo. Na prancheta o engenheiro de voo deixou escrito que o azimute do destino é 270°50'. Pergunta-se qual o rumo que a aeronave deve tomar?
Resolução:
a) primeiro tenho de saber que quadrante pertence o grau 270°.50'.
Sabendo que cada quadrante é 90° , logo o quadrante 270°.50' é do quarto quadrante ou NW.
Se fosse exato 270° seria 3º quadrante, mas por conta do 50' munutos muda para ao seguinte seguinte.
Bem sabendo que o quadrante é o 4º , vou pegar a formula do quadrante NW que é 360° - AZ4
Quem é AZ4 ? o Azimute em questão ou seja o 270°50'.
Bem vamos agora aplicar a formula e resolver...
R4=360°- 270°50' ( agora temos um problema aqui na matematica, porque preciso tirar 270°.50' da Unidade 360°.
A solução é desmebrar um 1° dos 360° em minutos ( lembro que 1 mninuto é 60 segundos).
vamaos lá. 359°60" agora ficou fácil.
vamos lá: R4 =359°60 - 270°50 = 89°10' NW. Assim o resultado é o rumo da aeronave.

8.EXERCÍCIO - AGORA É SUA VEZ.

Converta em os seguintes Azimutes e Rumos:
O importante não é só a resposta, mas sim ter o domínio dos cálculos
obs. Os rumos a norte magnético são positivos idas e os contra rumos são inversos ou voltas.

a) 270°50'     Resposta:   89°10' 

b) 349°20'                       10°40' 

c) 28°40'                          28°40' 

d) 180°00'                              0° S

e) 201°19'38''                 21°19' 38"

f) 270°47'42''                 89°12'18''

g) 159°00'23''                20°59'30"

h) 118°20'30''                 61°39' 30''

9. Como converter de decimal para sexagesimal e vice-versa

Suponha que você tem 36,21° em decimal e precise converter para o formato mais usual expresso em graus, minutos e segundos em que a resposta seria 36°12'36".

Para chegar a esse numero 36.21° em graus, minutos e segundos, será preciso uma operação matemática simples através dos seguintes passos.

1 - A parte inteira de graus permanece a mesma (neste exemplo, para o valor de 36°.
2 - Multiplique a parte decimal seguinte por 60 (ou seja, 0,21 x 60 = 12,60).
3 - A parte inteira corresponde aos minutos (12').
4 - A parte decimal após a virgula ou seja o 60 multiplique por 60 (ou seja, 0,60 x 60 = 36,00). O encontrado corresponderá aos segundos (36")
5 - Monte o novo número, colocando-os em conjunto, utilizando os símbolos para graus (°), minutos (') e segundos (") assim temos como resultado 36°12'36").

Agora a operação inversa, convertendo 36°12'36'' (graus, minuto e segundo) em graus decimais, que resultaria em 36,21°. Essa inversão decorre de uma propriedade da matemática em que se afirma que a multiplicação é o inverso da divisão.

Assim, temos:

36°12'36"
1 - primeiramente a parte inteira definida em graus permanece a mesma (temos então, 36°).
2 - Divida os 12' minutos por 60 (temos, 12/60 = 0,2 ...).
3 - Divida os segundos por 36'' (temos, 36/3600 = 0,01 ...).
4 - Some os dois valores acima (temos então, 0,20. + 0,01 ~ 0,21). Este valor é a parte fracionária que corresponde à 21° .
5 - O resultado final será: 36+21 = 36,21° graus no formato decimal.

Na internet tem o site com todas essas informações inclusive com um conversor online, para maiores informações Clik aqui para obter mais informações.


REFERENCIAS


ABREU, P.R. Conteúdos Cartográfico na Formação do Professor de geografia. Grafset. Recife, 2006.

Ministério do Exército -Estado Maior das Forças Armadas - Manual de Campanha - Leitura de Cartas e Fotografias Áreas. 2ª ed. 1980. Port.025 EME de 17 de março de 1980.
Site Ebah
Wikipéria
Tutorial Rumo e Azimute - Topografia I - IFG Uruaçu -Engenharia Civil